um blog que palpita que nem uma frita
CARTÃO AMARELO - O cartão amarelo é uma advertência a um jogador por ter cometido uma falta com um certo nível de gravidade, mas não indica a expulsão do jogo. No entanto, um futebolista deverá abandonar a partida se lhe for mostrado um segundo cartão amarelo. A acumulação de cartões amarelos, seja no mesmo jogo ou em encontros diferentes, origina a impossibilidade de um jogador alinhar pelos menos numa partida da competição em causa.

terça-feira, novembro 9


as aulas já começaram 
As aulas , as minhas (de ritmos latinos, se bem se lembram), já começaram na quarta-feira da semana passada. Primeira matéria a ser estudada: merengue. Ontem foi a segunda lição e amanhã vai ser a terceira. É angustiado que espero por ela porque o que está a acontecer é ainda pior do que aquilo que eu temia, aliás, pior não podia ser. Não é por causa do professor, que é fixe e muito competente. Não é por causa da matéria, que até é aliciante e me vai ser muito útil para melhorar a minha técnica de engate. Também não é por causa das miúdas, elas são lindas e uma autêntica fartura de simpatia. O problema são os gajos - nem um além de eu próprio!

Se amanhã a situação não melhorar, não sei como vai ser. Até quando o professor vai conseguir adiar o momento fatal de nos mandar dançar agarrados? Ou será que fico condenado a uma dance line? A ver vou...


terça-feira, novembro 2


de como a batata dá pano para mangas 
Um blog que palpita que nem uma frita. Ora cá estava um tema para navegar na net. Abri o Google, pesquisei «batata» e, por causa da rima do lema, também «poesia». Segue-se o que me foi oferecido na primeira página dos resultados.

1. Para começar, um blog, Pensamentos de uma batata transgênica, onde, além de alguma apetência pelo esoterismo, encontrei um umbigo que vale por dois e a letra de Blue Moon, do Elvis.

2. Seguiu-se, no site da L&PM Editores, o portentoso Uivo para Carl Solomon, de Allen Ginsberg. Tomei a liberdade de piratar o naco onde aparece «batata»:
[...] que exigiram exames de sanidade mental acusando o rádio de hipnotismo & foram deixados com sua loucura & suas mãos & um júri suspeito,
que jogaram salada de batata em conferencistas da Universidade de Nova York sobre Dadaísmo e em seguida se apresentaram nos degraus de granito do manicômio com cabeças raspadas e fala de arlequim sobre suicídio, exigindo lobotomia imediata,
e que em lugar disso receberam o vazio concreto da insulina metrasol choque elétrico hidroterapia psicoterapia terapia ocupacional pingue-pongue & amnésia [...]
Pela amostra, percebe-se que vale a pena ir lá ler tudo.

3. Alimentado o espírito, voltemos a atenção para a barriguinha, que também enforma a nossa cultura, com uma receita de Kieger de Batata gentilmente cedida por Eliana Gutman, a Tzipora!:
Ingredientes
     1 kg de batata
1 pitada de sal
2 ovos
1 pitadinha de pimenta do reino
Manteiga para untar o pirex
Farinha de Matza (procurar em lojas especializadas de culinária judaica)
Modo de preparo
    Unte o pirex com manteiga.
Pegue um pouquinho da farinha de matza e coloque por cima, espalhando pelo pirex.
Acenda o forno e deixe aquecendo na temperatura de 180 graus.
Rale as batatas, coloque-as num outro pirex, acrescente 2 ovos, 1 colher de chá de sal, 1 pitada de pimenta do reino e a farinha de matza. Pra terminar, adicione uma colher de sopa de óleo. Mexa tudo e pronto, só falta despejar tudo no pirex untado com a manteiga e com a farinha de matza e levar ao forno até dourar.
Deve ser bom. Vou ver se consigo arranjar a farinha de matza para experimentar.

4. Em ZUNÁI - Revista de Poesia & Debates, este precioso naco de hermética prosa que ando entretido a decifrar:
Leu na internet, uma banda igual a do Arrigo. Seria o Arrigo. Uma banda igual a dos Beatles. Era muito mais criança ainda. Sentado na motocicleta, na garupa, abraçada, sentia as coxas, filava o jantar quando tinha batata palha, muito antes, chamaram para jogar bombinhas no corredor, lia Dico, o Artilheiro, usava uma roupa preta toda colada no corpo, as coxas, dormia com ela, era apaixonado, ficava apaixonado toda hora, a filha mais nova dos Robinson, era muito criança, sonhou com um filho.
5. Outro blog, Tou no Top - Poesia e não só! (Poesia a granel e imagens de se lhes tirar o chapéu). Num post de 4 de Março, uma surpreendente
Polémica da Batata
Estalou a polémica, ou neste caso a pele da dita "batata".
Pode resultar noutra polémica ou nem por isso, mas que dá para aquecer, lá isso dá. A solução desta parábola, parece contudo,residir num pequenino ponto que nos chama a atenção, a essa pequena proeminência colocaram o nome de, imaginem, GRÊLO. Vá lá um erudito entender estascoisas.
De facto, isto de se ser erudito tem muito que se diga. Para os eruditos, a vida não está nada fácil!

6. Domi Chirongo, um poeta moçambicano, serve-nos uma magoada e irónica batata africana:
Batata africana
Sinto a garganta
muito quente
não consigo
engolir
esse produto
disseram-me
que tenho
doença da lua
e o médico
de família
diz que
consegue
tratar tudo
mas os outros
que lá foram
não voltaram
e o curandeiro
disse que melhoraram
mas ninguém sabe
se morreram ou não
no entanto o ocidente
aplaude
diz que há melhorias
na verdade
diminui-se
a pobreza
quando morrem
os pobres
essa é a nossa lógica
infelizmente
assim acontece!
7. Mais poesia, que a batata, pelos vistos, é musa deveras inspiradora. Astrid Cabral, não podia deixar de se lembrar da batata na sua longa e empolgante Elegia Derramada, de que noticio o bocadinho da batata. Antes e depois é de não perder.
[...]pardas praias em que aportam catraias de relutantes peixes, cais de diligentes incansáveis guindastes abastecendo a cidade de esnobes fomes de batata inglesa, manteiga da Holanda, rubros redondos queijos do Reino, vinhos da França, linhos da Irlanda e mais mil cargas de sonhos e fugas estocadas nos anchos bojos de vapores tisnados de Europa, vigias fedendo a gringa maresia, [...]
8. ÁLAMO DE OLIVEIRA (poeta, dramaturgo, artista-plástico: activista açoriano!) encerra esta curta viagem usando a batata cozida com casca como metáfora da nossa indiferença. Será justo?
POEMA XXI

andam a dar isto aos pedacinhos
e ninguém diz nada       meu amor!

isto quer dizer mar       terra
e (julgo) corpo       alma       telhas       pinheiros.

andam a dar isto       menos as gaivotas
que       firmes no caminho dos deuses
não se deixam apanhar
nem pelo dólar!

não é nada de grave!
pelos menos       fui à tourada de maio
e as pessoas estavam felizes como copo de vinho
e indiferentes como batata cozida com a casca.

andam a dar isto...
e os jornais anunciam que mais um salto
temos água no governo
talvez betão em flor
talvez as mamas do vulcão nuclear.

não estás a perceber?!...
andam a dar isto!
e qualquer dia onde poremos os pés de manhã
... se acordarmos?...
(in A Memória da Água-Viva, 7, revista açoriana de cultura, 1980)


segunda-feira, outubro 18


regresso às aulas 
Ele são mestrados, doutoramentos, pós-graduações, em suma, um nunca mais acabar de estudos em que vejo toda a gente a ingressar. Pois fiquem a saber que também resolvi regressar à escola: acabo de me matricular numa classe de ritmos latinos!

Digo regressar porque, com esta, é a terceira vez que tento uma licenciatura em danças de salão. As duas primeiras tentativas fracassaram pela razão do costume - gajas a mais. Isto é, as que se matricularam comigo sempre entenderam, com alguma razão, que detinham o exclusivo da minha pessoa quando chegava a altura do acasalamento para praticar os passes, estando-se nas tintas para as desamparadas que tinham de dançar sozinhas ou umas com as outras. Eu, pelo meu lado, com a natural generosidade masculina, nunca tive coragem de cometer tamanha crueldade e, de vez em quando, se calhar com mais frequência do que a adequada, lá cometia a traição de dançar com outras (que não se privavam de dirigir uns olhares de triunfante sacanice à traída). Como devem calcular, o ambiente tornava-se frequentemente tenso e depois das aulas lá vinham as inevitáveis recriminações que acabaram por se saldar no abandono dos cursos.

Vamos lá a ver como é que desta vez as coisas vão correr. Estou com fé.



 
BloGnoma

BloGajeiro

Seo Blog - free blog hosting! Publish your blog for free!
BloGrafitti

BloGlândulas

Vareta Funda
Salpicos
jUst bEiNg PeCoLa
The Clarabeauty Journal

BloGaveta

05/01/2004 - 06/01/2004
09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004

 

This page is powered by Blogger. Isn't 
yours?